Loading...

APRESENTAÇÃO

22 de Setembro ( Quarta - Feira)

"Mackeup - Um dia de Noiva"

Cia Os Mundanos - Penápolis

Horário: 23h
Local: Centro Cultural Dr. Bráulio Sammarco - Praça 9 de Julho, 150, Centro - Penápolis / SP
Classificação: 18 anos - Drama
Entrada gratuita

Quem somos


            O Grupo Teatro Colaborativo Os Mundanos, surgiu na cidade de Penápolis no ano de 2008, fundado por Leandro Tridapalli e Rodrigo Santiago, o grupo trabalha com o fazer teatral como fruto de uma pesquisa que envolve todas as áreas das artes e não somente o teatro.
            Começamos o processo com a pergunta: “O que quero fazer com teatro? E o que o teatro significa em minha vida?” Somos um grupo, e o que nos mantêm juntos são as afinidades ideológicas, estética e principalmente afetivas, o primeiro trabalho foi movido pela paixão pelo teatro, pela vida e suas complexidades e o resultado deste só foi possível devido às parcerias que conseguimos formar.
            Nosso processo de criação é lento, pois busca uma transformação pessoal por parte dos envolvidos, buscamos romper barreiras, os limites internos, encarar nossos medos e frustrações, para assim, nos tornarmos Humanos. Entramos na sala de ensaio sem saber se ao final teríamos material suficiente para a criação de um espetáculo, entramos no escuro, nos lançando como crianças que brincam de cabra-cega, mas com a crença de que toda criação deve ser um mergulho interno, onde a arte é o canal para o autoconhecimento.
            Como grupo, identificamos nossa prática com o Processo Colaborativo. Nele cada ator é simultaneamente autor e performer, podendo participar de outras áreas de criação, como dramaturgia, figurino, som, iluminação, cenografia, assim, o ator se torna criador da obra, estabelecendo um diálogo artístico com todas as partes do processo teatral.
            Durante a criação buscamos não camuflar nossas características, mas ampliá-las num trabalho de auto-afirmação, não negando os defeitos, mas assumindo-os, criando um verdadeiro embate psicológico, em que cada  ator  desafia seu limite para poder da um passo a frente, se libertando das falsas ideias, dos preconceitos, fortalecemos o nosso trabalho trazendo nossas fraquezas para o palco, assim não escolhemos quem fará a personagem, mas a personagem escolhe quem irá interpreta-la, estabelecendo um paralelo entre ficção e realidade.
            E dessa mistura entre o mais íntimo e o mais exposto, conseguimos montar esse espetáculo, que podemos chamar de depoimento pessoal dos envolvidos. Em sala de ensaio trabalhamos com quatro habilidades de exercícios: improvisação, vivência, workshops e exercícios de ampliação da energia corporal e vocal. Trabalhamos o processo de criação de forma livre, sem proibições. Não havia nenhuma restrição à forma ou conteúdo, buscávamos sempre a sinceridade, éramos estimulados a descobrir o que isso significava em nós e como isso iria para a cena.
            Este espetáculo é resultado de uma pesquisa sobre a poética e a poesia, mergulhamos e questionamos esses dois temas que são interligados, fomos da literatura a definições de dança e artes plásticas, para assim, conseguirmos entende-los e traze-los para a cena teatral. Desta forma, buscamos abrir portas do imaginário do público com um espetáculo que ativa os sentidos. Onde o público é convidado a sentir através da audição, tato, paladar, visão e olfato.